Viagem para a Espanha na terceira idade

Em 2012, quando eu ainda era estudante por aqui e ainda achava que ia voltar a São Paulo depois do mestrado, minha mãe e minha vó vieram me visitar. Em 2018, elas decidiram voltar e dessa vez minha vó já tem 80 anos. Muita gente falou que ela era bem corajosa de viajar para um destino tão longe nessa idade, então resolvi pedir para ela escrever um post falando a experiência dela de fazer uma viagem para a Espanha na terceira idade.

Na primeira visita a Madrid, em 2012

Com vocês, minha avó Adelaide:

“Aqui quem escreve é uma senhorinha de 8o anos. Adoro viajar! Há seis anos atrás fui a Madrid pela primeira vez e foi um passeio maravilhoso. Nunca tive medo de viajar de avião e sempre estou tranquila nas minhas viagens. Este ano voltei a Madrid depois de passar por Bruxelas e Amsterdã. Madrid, como sempre, me dando alegria; pois fui casada com espanhol por 39 anos.

Em Bruxelas

Na primeira viagem à Espanha conheci lugares maravilhosos. Museus, praças , castelos e um pouco da cultura espanhola. Se você tiver a oportunidade de ir a Madrid, não deixe de conhecer esses pontos turísticos, incluindo Toledo e Ávila.

Provando churros com chocolate

Se você é da melhor idade como eu, aproveite ao máximo suas viagens, e se for jovem aproveitem mais ainda!”.
Aqui vão minhas dicas para quem viaja com uma pessoa acima dos 70:
  • Reduza o ritmo e as expectativas. Obviamente uma pessoa mais madura não tem a mesma energia que você, o que significa que você vai andar menos e, consequentemente ver menos coisas.

    No Palácio de Cristal do Retiro

  • Priorize! Fomos a Ávila e realmente não deu tempo de passear muito pela cidade, mas visitamos a Catedral e ela adorou.
  • Pergunte o que eles preferem. Claro que às vezes eles não conhecem tanto a cidade para indicar o que gostariam de fazer, mas quando perguntei à minha vó se ela preferia ir a Ávila ou Segóvia, ela disse Ávila sem pestanejar porque já havia visto as muralhas na televisão.
  • Tenha paciência, especialmente se for um país onde o idioma não é o português, já que você vai ter que passar o tempo todo traduzindo tudo, rs!
  • Torne o “obrigatório” divertido/curioso. Como não dava para ir de um lado ao outro a pé, decidimos pegar carro compartilhado (Emov e Zity) às vezes. São veículos que você aluga e paga por minutos através de um app. Embora para mim já seja algo cotidiano, minha vó achou o máximo pegar “um carro qualquer” na rua!
  • No caso da Espanha, é necessário tentar equilibrar os horários, afinal jantar às 22 horas não é para qualquer um.
  • O tema alimentação também pode ser complicado. Da primeira vez, minha vó não gostou de muita coisa, mas dessa vez veio mais disposta a provar e no fim já tava comendo até “oreja”.

    A cerveja é só encenação, mas a “oreja” ela adorou!

  • A Sandra fez um post bem interessante falando de como foi receber a mãe dela e as amigas e pontuou algo que acho interessante. Em Madrid, é comum irmos “tapear” de bar em bar e ficar horas de pé, algo que obviamente não rola na terceira idade.
  • Para mim, o mais importante dessa viagem foi não só mostrar um pouco de Madrid para elas, mas transmitir que essa é minha cidade agora e que me sinto em casa aqui. Para isso, apresentei meus amigos, minha família espanhola e os lugares onde vou. Isso tranquilizou tanto minha mãe quanto minha vó, que perceberam que eu estou feliz aqui.

    Nova versão da foto de 2012 feita seis anos depois

Resumindo: viajar com alguém da terceira idade é diferente de viajar em casal ou com um grupo de amigos, mas pode ser muito divertido! Espero que elas se animem a voltar!

8 Comentários em Viagem para a Espanha na terceira idade

  1. E eu tive o prazer de conhecer e tomar um café com ela!! (E com a mamis TB)

  2. Simplesmente… ADORÁVEL! <3

  3. Este teu post está simplesmente maravilhoso! Adorei a tua avó. A dona Adelaide é uma simpatia e muito disposta. Mas apesar de concordar com ela em muitas coisas, discordo de uma: Tenho 68 anos e continuo quase com a mesma energia de quando tinha 20. Final do mês passado fui passar meu aniversário em São Paulo com minha noiva e, no último dia lá ela não pode ficar comigo. Fui então bater perna como se diz aqui em Recife. Significa fui andar, caminhar, conhecer lugares. Pois bem. Entre as 8h da manhã e 19h, quando fui para o aeroporto, fui em uns 10 lugares diferentes. Tirei fotos muitas e caminhei uns 10km. O que eu visitei? O Conjunto Nacional e a Livraria Cultura, que fica lá dentro. Tomei também um cafezinho com um quiche na lanchonete da livraria. Depois fui conhecer a Travessia Literária na Consolação. Peguei o metrô e fui pra República. Fui na Praça da República, Praça da Luz, Praça da Sé, fui no Pateo Collegio, na igreja de São Tomás de Aquino que fica dentro do Pateo Collegio, fui no Mercado Municipal, na 25 de março. Fui no Centro Cultural do Banco do Brasil e no Largo de São Bento (tudo isso caminhando). Peguei novamente um metrô e fui até o Centro Cultural São Paulo que fica no Vergueiro. De lá fui na Catedral Ordodoxa, na Catedral N. Senhora do Paraíso e uma outra igreja lá próxima que não recordo o nome. Tudo isso caminhando desde lá o Centro Cultural São Paulo. Fui até o MASP. Fui ainda na Casa das Rosas e depois fui para o aeroporto. E talvez tenha esquecido de alguma coisa no caminho. Risos. Parabéns pelo seu blog.

    https://oseucompanheirodeviagem.wordpress.com/

    • Oi, Alberto! Fico feliz que você gostado do post e também que teha aproveitado a viagem a SP. Que bom que você continua com toda essa energia! Um abraço

  4. Linda sua avó! Acho que para se viver, não tem idade! Espero não envelhecer assim como ela! Madri, Amsterdã, Bruxelas, etc aí vamos nós! Conselhos da Adelaide!

    • Oi, Patricia! Sou suspeita para falar, mas ela é fofa mesmo! Quando vier a Madrid, quero conhecê-la, hein? Um abraço!

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.