O que fazer quando bate a saudade “de casa”?

Às vezes tenho a sensação de que quando se mora em outro país, todos os sentimentos ficam à flor da pele. Se algo te faz feliz, você sente que vai explodir de alegria, e quando as coisas não vão bem, a tristeza invade de uma maneira intensa e, nesse último caso, é fácil cair na tentação de sentir saudade de casa – mesmo que a cidade de adoção já seja sua casa oficial há anos.

Desde que cheguei a Madrid, vivi tanta coisa boa que me sinto extremamente sortuda pelas pessoas que cruzaram meu caminho e pelas experiências maravilhosas que surgiram. Por outro lado, também houve momentos difíceis: a perda da minha bisa, o término de uma relação, a perda de um emprego que eu tinha lutado tanto para conquistar e a despedida dos meus amigos de máster que voltaram aos seus países de origem.

Não vou mentir que nesses momentos eu me peguei pensando algumas vezes: o que é que eu estou fazendo aqui longe da minha família, dos meus amigos, da minha casa, da segurança que eu tinha por estar rodeada de pessoas queridas?

Nessas horas, tento afastar esse pensamento de “se eu estivesse lá no Brasil, tudo seria diferente”. É verdade que ter uma rede de pessoas por perto é super importante, mas não é a garantia de estar feliz o tempo todo. Aliás, eu lembro que também me sentia sozinha às vezes lá mesmo com todo mundo por perto e, em conversas com amigos que estão em São Paulo, eles me falam a mesma coisa, já que com a vida corrida e estressante que as pessoas levam por lá, muitas vezes elas não têm tempo para se ver com a frequência que gostariam.

A solução PARA MIM nessas situações são as clássicas: sair de casa, ir caminhar ouvindo música, ler, ir ao cinema, encontrar amigos, se abrir a programas que inicialmente você não queria (ultimamente tô precisando vencer essa barreira), se dedicar a algo que você gosta, fazer um curso, ir a shows.

E chorar! Se permitir ficar triste às vezes porque a saudade dói. E estar longe nem sempre é fácil. E porque, apesar de muitas vezes já terem dito que sou uma pessoa muito forte por estar sozinha em outro país, tem horas que a gente fraqueja, que sente medo de as coisas não darem certo, sente tristeza por perder momentos importantes (bons ou ruins) de quem ficou do outro lado do oceano. Chore sem culpa porque morar fora não tem porque ser um conto de fadas -e não é!

Mas, mais do que nada, o que gosto de fazer é sair caminhando sem rumo por Madrid e redescobrir porque eu amo tanto essa cidade. Nessas horas eu lembro porque eu decidi ficar e porque eu não penso em ir embora. Porque a verdade é, que mesmo nos momentos mais difíceis, eu nunca pensei em voltar. Pode ser que um dia eu volte ou pode ser que eu mude para outra parte do mundo, mas por enquanto o meu desejo é continuar em Madrid por “toda la vida”.

Uma das coisas que mais amo fazer ultimamente: noites de bolero na Bodega Lo Máximo

Aos meus amigos e a todo mundo que tem sido incrivelmente foda nos últimos meses (vocês sabem quem são), muito obrigada!

Related Post

6 Comentários em O que fazer quando bate a saudade “de casa”?

  1. Muito bom e verdadeiro seu relato.
    Bjs e espero voltar para aquela cerveja.

  2. E porque você não quis voltar? O que te faz amar tanto Madrid a ponto de não voltar?

  3. Posso dizer que 100% do que você escreveu se passa comigo, estou em Madrid ha quase 3 meses e não é fácil, sinto falta do idioma (ja tenho alguns amigos aqui e não é a mesma coisa, é “tio” pra ca e “tio” pra la kk) o clima também, as chuvas não como as do Brasil, (São Paulo no meu caso que chovia muito). As pessoas são outras e etc. Mas como você disse, a melhor coisa é sair e andar sem rumo por Madrid, e de verdade, me sinto muito melhor e a vontade de voltar pra casa logo passa porque Madrid é incrivel

    • Willian, obrigada pelo comentário! Você vai ver que com o tempo, essa sensaçao diminui muito e você passa a se sentir mais em casa. Um abraço!

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*